segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

A Eleição e os Anglicanos

Aqui, há alguns de vocês pertencentes à Igreja Anglicana. Ora, eu sei perfeitamente
bem que vocês crêem profundamente naquilo que os [trinta e nove] Artigos declaram ser a sã doutrina.
Oferecerei um exemplo daquilo que esses Artigos afirmam a respeito da eleição, de tal maneira que, se vocês acreditam realmente neles, não poderão deixar de receber a doutrina da eleição. Lerei certa porção do artigo XVII, que se manifesta sobre a predestinação e a eleição: “A predestinação para a vida é o propósito eterno
de Deus mediante o qual (antes que fossem lançados os fundamentos do mundo) Ele decretou de maneira constante, através do Seu conselho secreto a nosso respeito, que livraria da maldição e da condenação àqueles a quem Ele escolhera em Cristo, dentre a humanidade, para conduzi-los à salvação eterna por meio de Cristo, como vasos destinados à honra. Em face disso, aqueles que foram dotados por Deus de tão
excelente beneficio são chamados, de conformidade como propósito de Deus, pelo Seu Espírito, o qual atua no tempo apropriado, tendo em mira: que, pela graça, obedeçam a essa vocação; sejam gratuitamente justificados; sejam feitos filhos de Deus por adoção; sejam moldados segundo a imagem de Seu Filho unigênito, Jesus Cristo; andem piedosamente em boas obras; e, afinal, pela misericórdia de Deus, cheguem a
bem-aventurança eterna”.
Expus esse artigo de fé diante de vocês, tão-somente para mostrar-lhes que, se vocês pertencem à Igreja Anglicana, pelo menos não quererão fazer objeção à doutrina da predestinação.

Entregue na manhã de sábado, 2 de setembro de 1855, pelo
REV. C. H. Spurgeon
No New Park Street Chapel, Southwark.

http://www.spurgeon.org/sermons/0041.htm

ELECTION
GOD CHOOSES HIS OWN
by J.I. Packer

A doutrina da eleição, como toda verdade sobre Deus, envolve mistério e, por vezes, causa polêmica. Mas nas Escrituras é uma doutrina pastoral, trazidos para ajudar os cristãos a ver o quão grande é a graça que os salva, e para movê-los para a humildade, confiança, alegria, louvor, fidelidade e santidade em resposta. É o segredo da família dos filhos de Deus. Nós não sabemos quem mais que ele tenha escolhido entre aqueles que ainda não crêem, nem por que foi sua boa vontade para escolher-nos, em particular. O que sabemos é, primeiro, que se não tivéssemos sido escolhidos para a vida, não estaríamos agora os crentes (somente para os eleitos são trazidos à fé), e, segundo, que elege como crentes, podemos confiar em Deus para terminar em nós o bom trabalho que ele começou (1 Coríntios. 1:8-9; Phil. 1:6; 1 Tessalonicenses. 5:23-24; 2 Tm. 1:12, 4:18). Conhecimento de uma eleição, portanto, traz conforto e alegria.

From: Concise Theology: A Guide To Historic Christian Beliefs


Eleição e humildade por John Stott

Comentando sobre Ef. 1:4 "Mesmo que ele nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele"John Stott escreveu:

Algumas pessoas pensam que a acreditar-se de um povo escolhido de Deus sobre o pensamento é o mais arrogante alguém pudesse entreter. E assim seria se nós imaginamos que Deus nos escolheu por causa de algum mérito nosso. Mas não há espaço para todos no mérito na doutrina bíblica da eleição. O oposto é o caso. Deus explicou especificamente a Israel que não tivesse escolhido porque eles fora de correspondência a outras nações em números ou de qualquer outra forma, pois eles não fizeram. Por que, então? A razão pela qual ele escolheu deles era em si mesmo (amor), não na deles (mérito). A verdade mesmo é martelada em Efésios. A ênfase de todo o parágrafo primeiro é a graça de Deus, o amor de Deus, a vontade de Deus, o propósito de Deus e da escolha de Deus. Pois Ele nos escolheu em Cristo, Paulo declara: antes da fundação do mundo, Que foi antes de nós existiu, muito menos poderia colocar qualquer pretensão de mérito. Assim, "a eleição de Deus é livre e bate-se e elimina todo o merecimento, obras e virtudes dos homens" (Calvin)

A Mensagem de Efésios: New God's Society, Inter-Varsity Press, pp 38-39
http://reformedcovenanter.wordpress.com/2007/05/01/election-and-humility-by-john-stott/

A Letter
from
George Whitefield
to the
Rev. Mr. John Wesley
Londres, 9 de agosto de 1740

CARTA Whitefield a Wesley
Bethesda, na Geórgia, 24 de dezembro de 1740

Devo próxima observar que, como você foi infeliz na impressão a todos sobre como um mandado imaginário, Então você tem sido tão infeliz na escolha do seu texto. Honrado senhor, como poderia entrar em seu coração a escolher um texto para refutar a doutrina da eleição de Romanos 8, onde esta doutrina é tão claramente afirmado?
Prezado Senhor, pelo amor de Jesus Cristo, considere como você desonra a Deus, negando eleição. Você claramente a salvação não depende Livre graça de Deus, Mas em homem livre-arbítrio. E se assim, é mais provável, Jesus Cristo não teria tido a satisfação de ver o fruto de sua morte na salvação eterna de uma alma. Nossa pregação seria, então, vão, e todos os convites para que as pessoas acreditam nele também seria em vão.


http://www.spurgeon.org/~phil//wesley.htm

Um comentário:

Americo moura disse...

eae eduardo!DA HORA EM ESSE SEU BLOG.
AÍ, EU TO SORTEANDO UM LIVRO LÁ NO MEU BLOG! TENTA GANHAR LÁ